domingo, 16 de dezembro de 2012

Convite... (( Lígia Marques))












Convidarei você para degustar
Minha comida bem caseira...
Sorvete de pimenta para abrasar
Não ficará nada sobre a mesa...

 
A mesa será equilibrada
Com braços da libido e emoção
No cálice terá do meu vinho...
Néctar de amor e paixão

 
Teremos o tempo todo
Para o descanso profundo
Corpos jogados para o lado:
Símbolo de amantes do mundo

 
Adentrarei no meu recanto
Presenteando com conforto seguro
De banho de gato te banhar...
Antecipando “o jantar” no escuro

 
Quero contemplar tua alma nua
Despir os versos e minha clausura
Com meus dedos envolver teus cabelos grisalhos
Enquanto passeias docemente em meus átrios

 
No fim da tarde teremos um filme...
O tempo será o maior telespectador
Porque estaremos em cama quente:
Nocturne Reality show do amor.

 
Lígia Marques
12-12-2012




 


 

domingo, 16 de setembro de 2012

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Beijos Inesquecíveis...



Quiçá novamente em seus beijos
Ei de me perder de novo em amor
De língua lamber os teus dedos
De lambidas gozar sem pudor.


Entrando novamente em contexto
Do texto incomparável: Ah esse amor!
Eu penso nos nossos momentos
Beijos quentes, frenesi, suor, mom amour.


Um beijo de muitos minutos
A “troca do quarto”, o “degelo do frigo”...
Serviram só, para abusar, deitar e rolar
O tempo não foi perdido...


Larguei da tua boca, tão bem sugada,
De pernas bambas e dois gritinhos...
Eu vi teu falo aumentar, quase a jorrar..
A me ver gozar com beijinhos.

Lígia Marques
15-04-2012


sexta-feira, 27 de abril de 2012

Não Entendo...



Não entendo...
O teu livro não estar aberto...
A inverdade da nossa amiga...
Teu novo caso, sempre incerto...
Novas noites de sono perdidas...


Não entendo...
Tanta mentira cogitada...
Esse meu dom de descobrir o repelente..
A ilusão, a falta de amizade...
O espírita kardecista e o crente


Não entendo...
O telefonema e e-mail anônimo...
O combinado e escondido encontro teu
A razão de eu estar pensando em vocês...
A “revisão” do que sempre foi meu...


Juro que não entendo...
O porquê de eu te deixar partir...
E ainda golpeada, viver a sorrir...
E mesmo assim preocupar com tua felicidade...
E desejar que tenham um encontro de verdade.


Não entendo...
O porquê de eu sair a dançar...
E a mão de outro, eu não desejar...
E sair em fotos colocadas em sites
E ser tolhida por fãs de pouca idade.


Não entendo...
A violência sofrida aos sete anos...
O casamento infeliz, o outro relacionamento...
O homem ao meu lado que não me abandona
Os estudos no meio da vida... Sem lamento.


Não entendo, juro que não...
Esse meu coração de mãe...
O estar feliz em seu vôo e com isso me libertar
O porque de meu pai me amar como o pai de José...
Da linda sorte em ter duas amigas há 41 anos... de Fé!


Não entendo...
Ter estudado o primário no Abraham Lincoln
Ter quase morrido, angustia dos que me amam.
Ver a gravidez de uma amiga com apenas doze anos...
E nos dias de hoje, lecionar aos que reclamam.


Não entendo...
A paixão que não acaba girando
A minha voz que em ti não cala...
As verdades que dizem brincando...
“Ela”, saber que eu sei de tudo e ainda finge senzala.


Não entendo...
Os devaneios e mentiras de suposto amor
Dos vídeos e MSN ocultos...
Da graça de fugir sem saber quem vem na contramão.
De ver que o mesmo se repete a conteúdo...


Eu não entendo...
O enorme tempo que levei pra encontrar você...
A entrega e tua chegada pra me libertar...
A  alegria das migalhas de um forte amor...
O teu momento feliz e triste onde eu quero sempre estar


Não entendo...
Essa minha fortaleza...
O sentido em viajar e ganhar o mundo...
A vontade de conhecer o Brasil em via rumos...
A menina dos olhos, o meu Deus absoluto.


Lígia Marques
24-04-2012